Pensar no trabalho da Lenita é viver imagens da infância. Ladrilhos da sua casa, objetos, caminhos entre árvores,que ficaram na sua memória. Estas lembranças aparecem agora no trabalho. Ela transforma em imagens. Suas vivências, suas experiências pertencem ao seu universo íntimo, sua alma, sua particularidade. São linhas, formas,na vertical,para cima,para o alto ,para o eterno,como uma catedral.

Vera Wildner, Setembro de 2009